“Obrigada por fazer minha volta mais feliz”

Reportagem Maria Lígia Pagenotto
Fotos Marcia Minillo

©Marcia Minillo
Trabalho exige equilíbrio extra com o trem cheio

“Obrigada por fazer minha volta mais feliz.” Foi com uma mensagem assim que o flautista Taiguara Cruz se deparou numa noite de dezembro. O papelzinho, amassado, escrito rapidamente com caneta, foi colocado na caixa de seu instrumento. Provavelmente com algumas moedas. Era um sincero agradecimento de uma usuária da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, a CPTM, ao seu trabalho. Ele ficou tão feliz com a mensagem que tirou uma foto do bilhete e o compartilhou em sua página do Facebook, emocionado.
Praticamente todos os dias, Taiguara percorre, ao lado do violonista Renato Commi, linhas de trens e metrô. Ele na flauta, o amigo no violão e vocal. A dupla se intitula Vagão Musical e, com muita disposição, cantam de 7 a 8 horas por dia – a maioria das vezes em pé, equilibrando-se entre os passageiros. O trabalho compensa, garantem os músicos. E compensa especialmente pela satisfação que lhes dá.
Como resistir ao pedido de um pintor de parede que quer ouvir Renato Russo? “Olha minhas mãos”, mostra para mim. “Essa tinta toda eu não consegui tirar, mas também não adianta esfregar muito, amanhã tem mais”, diz o rapaz sentado num banco do trem. Ele saía da Vila Olímpia e se dirigia à estação final, Grajaú. De lá, pegaria um ônibus para casa. “Ouvir essa música aqui está me fazendo um bem danado. É relaxante, faz a gente pensar em outras coisas, fora os problemas.” Renato, acatando o desejo do moço, cantou “Pais e Filhos”, do Legião Urbana, uma das mais cobiçadas nos vagões.

©Marcia Minillo
Passageiro vibra com música do Legião Urbana

Assim que a música começou, os passageiros foram deixando a timidez de lado e, aos poucos, entoaram os versos com Renato. No refrão, houve até quem se emocionasse. Um moço, que olhava pela janela seriamente, virou o rosto para a frente e começou a cantar. Uma senhora refletia sobre as palavras. “Sim, é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã. Acho muito lindo isso.”
O hit “Azul da cor do mar”, de Tim Maia, é outro que empolga os usuários. Quem sabe a letra canta, outros se balançam ao ritmo da música, pensativos.
Zé Ramalho, com “Chão de Giz”, está também entre os preferidos. Quando Renato começou a entoar essa música, três passageiros sentados próximos sorriram e logo estavam cantando juntos. A música é também um estímulo para quebrar o gelo. As pessoas conversam a respeito da letra e dos seus gostos musicais.
“Se tivesse espaço, estaria bailando aqui, sou muito musical”, falou empolgada uma senhora ao ouvir “Flor de Lis”, de Djavan.
Ao chegarem em suas estações, muitos lamentam. “Puxa, que pena, hoje o trem poderia ter ido mais devagar”, brincou um homem ao descer na estação Morumbi. Quase todos agradecem, pedem que Deus os abençoem e procuram saber em que horário eles tocam, para tentar um reencontro com o Vagão Musical.


(clique nas fotos para ampliar)
Na altura da estação Pinheiros, assim que viu os músicos, a jovem Julia até tirou os fones do ouvido, para escutar melhor o que estava tocando e participar. “Estou adorando, entrei no trem e isso foi uma surpresa, a melhor do dia”, falou. No momento, tocava “Astronauta de Mármore”, do grupo Nenhum de Nós.
Capital Inicial, com “Primeiros Erros”, chamou atenção de um grupo de garotos e garotas com pouco mais de 20 anos. Eles pararam de conversar para cantar “meu destino não é de ninguém”, um trecho da música.
Executivos vestidos com ternos impecáveis e moças de saias e blazers também não se fazem de rogados. Muitos gravam, aplaudem e se sacolejam também, indiferentes aos olhares de quem está por perto.
De tempos em tempos, Taiguara anuncia: “Esse é o Vagão Musical, queremos trazer muita alegria e tranquilidade para a sua viagem”. Logo depois é o momento de avisar que a caixa da sua flauta está aberta para receber as contribuições de quem puder colaborar com algo.

©Marcia Minillo
Usuária deixa sua contribuição

Um casal apaixonado, comemorando 25 anos de relacionamento, fez um pedido especial. O homem quis oferecer “É isso aí”, de Ana Carolina e Seu Jorge, para a mulher, em plena viagem.
Algumas vezes são celebrados aniversários nos trens. Com frequência rolam serenatas, como a do casal celebrando bodas de prata.
Taiguara e Renato vão e voltam na linha, depois pegam o metrô. Em certas estações, um segurança olha feio quando a porta abre e pede para eles pararem. “É proibido?”, indaga irônico Renato. “Sim, é”, confirma o guarda. Os músicos então se calam por uns segundos. Assim que o trem parte, eles continuam a cantar.
“Eu acho a coisa mais linda essa interação com o público, é o que me move todo dia”, diz Renato, nascido na Avenida Paulista. Sua carreira de músico teve início no teatro, numa apresentação de uma ópera rock, em 1983. “Eu me intitulo um músico itinerante, toco aqui, que é em qualquer lugar. Aqui eu me expresso, me comunico, passo minha mensagem.” Para ele, não há comparação entre tocar no trem e num bar. “O trem ganha de longe em termos de satisfação pessoal e até financeira”, assegura. “Num bar, as pessoas mal te veem”, completa. Aqui, elas estão prontas para receber seu trabalho, estão ávidas por isso”, acredita.

©Marcia Minillo
Aguardando o trem em Pinheiros

Taiguara acha que o melhor de tocar na rua é acreditar que, com sua música, ele pode mudar o dia de alguém, tornando-o melhor. Estudante e pesquisador de música desde 1998, o flautista, nascido no Grajaú, zona sul, bairro onde mora até hoje, conta que deu seus primeiros passos na rua tocando na porta da estação Vergueiro do metrô. “Percebi que as pessoas gostavam e vinham conversar comigo. Fui pegando gosto por aquilo. Até que, através do meu irmão, conheci o Renato.” Eles começaram para valer a parceria em meados de 2016. De lá para cá, tocam durante às tardes e também às noites, até por volta das 23h30.
Além das músicas já citadas, os embalos nos trens são feitos ao som de Alceu Valença, Gilberto Gil, Adoniram Barbosa, Luiz Gonzaga, Gonzaguinha, Jota Quest, Zé de Camargo e Luciano, Dominguinhos, Beatles, entre outros.
A dupla reconhece que precisa ampliar o repertório de sertanejos. Mas por enquanto segue apostando nos sons com os quais mais se identifica. A alegria com que o público recebe as músicas não deixa dúvida de que a fórmula está dando certo.
veja mais fotos aqui

https://www.facebook.com/Artnerantes-1846680375608412/

Compartilhe esta matéria:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *