Quando eu te encarei

Por Carlos Eduardo Alves
Fotos Marcia Minillo

img_1046
“E a cidade que chamo de minha continua estranhamente linda”

A São Paulo de meados da década de 70 era mais fria. De manhã, não dava para sair de casa sem usar “japona”. Moleque caipira, o paraíso era conhecer aquilo que só sabia existir por jornais e pelo radinho de pilha. E quanta gente esquisita e apressada. E dava um orgulho bobo de estar ali, no meio das coisas que aconteciam, de gente que falava que a ditadura tinha que acabar, de cabeludos e meninas bonitas e que conversavam sobre qualquer assunto…
Na minha pequena cidade, meu apelido era “Andarilho”, de tanto bater perna pelas ruas sem motivo ou lugar algum. Na São Paulo imensa, então… Vida boa de estudante de meio período, criei uma mania: entrava num ônibus qualquer com destino ao que não conhecia e descia no ponto final. Via as ruazinhas e vielas da cidade, comia ovo colorido nos botecos e, de vez em quando, cruzava com o carrinho que vendia bijou. Ali, naquelas quebradas, comecei de fato a conhecer a cidade que nunca mais tive coragem de deixar.
Meu primeiro espanto cultural foi quando percebi que aquele sotaque italianado da Mooca não era  padrão do meu novo espaço encantado. Tal como hoje, o que rolava nas ruas dos bairros mais distantes era a dança silábica do Nordeste, com suas variações. Ah, e tinha muito mineiro também. Quase todos eles, brasileiros que chegaram atrás da sobrevivência ou do sonho. Alguns faziam o bate-volta, mas na SP daqueles tempos a maioria ficava e só voltava de vez em quando com os presentes, uma prova para os parentes do “sucesso” conquistado com muito trabalho, marmita fria  e sufoco nos ônibus lotados.

img_3824-copy
O Largo do Paissandu visto da Galeria do Rock

Aprendi, com o tempo, que as velocidades são várias na cidade. Quando o dinheiro dava, às sextas ia ao Ponto Chic, o mesmo que resiste no Paissandu. Era o dia da roda de bambas do samba paulistano. Seu Geraldo Filme, o grande compositor de várias escolas, um dia foi importunado pela coragem do moleque cabeludo já com algumas entradas na cabeça. Foi simpático e me marcou com uma frase. “Meninão, você é branquinho, mas logo vai aprender que São Paulo é de negros e nordestinos também e aqui cada um tem sua pressa.” Geraldo Filme era um negro alto, sempre elegante geralmente em seu paletó e sapatos brancos  e com um vozeirão de responsa. É autor de um samba enredo belíssimo que retrata a construção da Sé por Tebas, um escravo que negociou sua carta de alforria em troca da construção da praça.

Diversidade em todas as esferas

No Ponto Chic, o garçom era o Ademir da Guia, ligeiramente parecido com o genial jogador do Palmeiras das décadas de 70 e 80. Ah, o Ademir… São Paulo me proporcionou também, um apaixonado pelo futebol, o prazer de ver no Pacaembu alguns dos maiores jogadores que o mundo teve. Embora tivesse desde criança o saudável hábito de amar o Santos Futebol Clube, quantas vezes não fui ao “próprio da municipalidade” só para ver Ademir jogar. Uma matada de bola no peito do Divino era uma obra de arte…
Quando ia ao Pacaembu, descia do ônibus em algum lugar da Angélica que me permitisse andar bastante pelas ruas sinuosas perto do estádio. Quarenta anos depois, a cidade mais louca e completamente mudada, vou ao mesmo estádio com meu filho de 11 anos.
Fazemos agora um trajeto diferente. O gostoso é descer na Brigadeiro e seguir pela Paulista. Se for domingo, então, é festa para o moleque. Ele adora ver “gente diferente” do seu cotidiano de menino de classe média nascido e criado em bairro. Um dia de semana, quando andávamos pela Paulista, do nada ele me disse. “Pai, um dia quero morar na Paulista.” Perguntei a razão e ele foi rápido. “Parece que as coisas acontecem aqui, ninguém é igual ao outro, tem gente de todo tipo.”
Aprendo  muito com o olhar  do moleque. Há  uns 6 meses, o levei  num  domingo  de manhã  para  a missa de  sétimo  dia de  um  amigo. Foi  na Igreja  de  Santa  Ifigênia, no centro  velho. Passo sempre  pelo centrão e o olhar fica destreinado.  Mal  destreinado,  aliás. “Pai, como  tem  morador  de rua  aqui. Que  vida  difícil  essas  pessoas  levam.”
Me senti um  ogro insensível  por não haver  notado tanta gente  jogada no cimento  frio, mas também com  um tremendo orgulho de ver que  estava  ali um olhar  infantil  atento à gente  que  sofre. Há  esperança, me aquietei.

img_7773
Av. Paulista aos domingos: sempre uma festa

A São Paulo que virou Sampa cuidou de minha vida, de meus amores, casamentos, empregos, erros e afetos certos. Nela nasceram meus filhos. Dois já andam pelo mundo com seus RGs. A que o caçula começa a conhecer melhor está um pouco diferente. Tornou-se definitivamente, a meu ver, o reduto maior do que tem de melhor e pior no país. Não é mais, como foi, o único endereço dos que aqui chegavam fugindo do futuro de vida garantidamente curta. Não faz mais tanto frio, os corres do centrão e das quebradas estão mais violentos e o Ademir da Guia se aposentou faz tempo. Mas existe uma Sampa nova, mais cosmopolita e, incrível, acolhedora até. Tá bom, às vezes, admito. Mas é inegável que não há cidade que ostente tanta diversidade em todas as esferas. É aqui que a criação dá alô e se recusa sempre a entoar o tchau. É no asfalto e na poeira da perifa que a vida corre, quase sempre difícil, mas com ilhas que vão se juntando na tentativa de construir o recreio. Sempre tem alguém acordado, esperando ou começando.
Muita coisa mudou, ninguém fala mais japona e muitas vezes o por favor é ignorado ainda. Mas o sotaque das quebradas mistura o porrrta do interior com o nordestino. E a cidade que chamo de minha continua estranhamente linda. Aqui se construiu uma beleza diferente. Na verdade, a formosura se dá em forma de gente. Sampa é do cacete!

Carlos Eduardo Alves nasceu em Lins (SP) e chegou a São Paulo no dia 22 de dezembro de 1974 para fazer o último ano do colegial no Equipe e estudar jornalismo. Nunca mais quis sair. Rodou muito a cidade, a trabalho, por curiosidade e vagabundagem também. Seus três filhos são paulistanos.
Compartilhe esta matéria:

2 thoughts on “Quando eu te encarei

  1. Hoje meu filho que também é jornalista, nascido na Avenida Paulista. E sabe quanto amo está cidade me indicou este site. Aos poucos vou conhecendo. Carlos Eduardo Alves, descreveu sua visão da cidade. A minha não é muito diferente. Os caminhos foram o inverso eu nasci na Capital e sai após aposentadoria 1994. Mas ainda vivo tudo isso. Quando alguém diz que não gosta de São Paulo, sempre respondo. Só não gosta que não conhece de verdade. Aqueles que só visitam a cidade em um bate e volta. E não sabe a riqueza que ai existe em todos os sentidos.

    1. São Paulo é sempre uma surpresa, Digenir. Esse foi o grande incentivo para que criássemos o site. Uma página onde pudéssemos mostrar tudo de bom e bacana que acontece na cidade e que a grande mídia não mostra. Também estamos abertos a sugestões. Obrigado e abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *